Hospedando a Anjos

Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos. Hebreus
13:2



Pensamento: Nossa sociedade está cada vez mais inclusiva no sentido de não ter preconceitos, de ter vários tipos de tribos, cada vez mais plural, diversa. Ao mesmo tempo ela nunca esteve tão exclusiva, seletiva.

No passado, as pessoas costumavam se conhecer pelo nome e ainda sabiam quem era o pai de quem, ou o filho de quem. Hoje muitos sequer sabem qual é o nome do seu vizinho de frente. Entramos no elevador e muitas vezes não cumprimentamos as pessoas que ali estão. Alguns não sabem nem o nome dos porteiros dos prédios onde moram...

Atalaia ou Sádico?


 Vejo um monte de gente escrevendo um monte de coisas na internet. Principalmente aqueles que estão aqui para “denunciar o pecado”.

Existem muitos pseudo-cristãos que se intitulam donos da verdade e saem por aí em suas Cruzadas para acabar com quem quer que não adote sua mesma doutrina, que não utilize a mesma forma de culto ou qualquer outra coisa que eles discordem.

O problema é que essas pessoas são viciadas nos pecados dos outros. Não podem ver o erro do Feliciano, do Malafaia, da Lagoinha, ou sei lá de quem mais, que já quer escrever para “denunciar o pecado”.

Existe na bíblia em Ezequiel a figura de um atalaia. Esse era o camarada que via o inimigo chegando e avisava todo o povo do perigo iminente. Se ele não falasse nada, o povo seria destruído, mas a culpa cairia sobre o atalaia.

Porém, o atalaia exorta dos perigos visando apenas um fim: a salvação dos seus ouvintes. Assim como um profeta, quando expõe o pecado de um povo, não o faz para o expor à vergonha ou para destruir tal povo, mas sim para chamá-lo ao arrependimento...

Fé dos Homens – Abraão II


Graça e Paz.

Ora, tendo a Escritura previsto que Deus justificaria pela fé os gentios, preanunciou o Evangelho a Abraão: Em ti, serão abençoados todos os povos. De modo que os da fé são abençoados com o crente Abraão. Todos quantos, pois, são das obras da lei estão debaixo de maldição; porque está escrito: Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da Lei, para as praticar. E é evidente que, pela Lei ninguém é justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé. Ora, a Lei não procede de fé, mas: Aquele que observar seus preceitos por eles viverá. Cristo nos resgatou da maldição da Lei, fazendo-se Ele próprio maldição em nosso lugar (porque está...

Cristãos Polêmicos?


Percebi na internet que a maioria das pessoas se manifesta principalmente quando discorda. Obviamente que alguns são haters, discordam de tudo. Mas aqueles que são sinceros, normalmente comentam quando discordam. Mesmo porque, se você concorda, não precisa falar: muito bom ou concordo. Afinal, quem cala consente.

Isso faz com que os textos polêmicos sejam mais lidos, pois o povo gosta de discussão, debate, etc. E os textos que a maioria gosta sejam menos lidos, afinal, não tem polêmica.

O problema é que o Evangelho fica de fora muitas vezes e os temas marginais hoje tem sido o centro do debate. Justamente porque a internet e mídias propagam o que dá ibope...

O Poder da Ressurreição


A ressurreição de Cristo é o cerne da pregação Apostólica no livro de Atos. O principal foco da pregação de Pedro e dos demais apóstolos é a ressurreição de Cristo dentre os mortos e o significado redentor deste ato de Deus para com a humanidade.

Paulo dizia: “E, se Cristo não ressuscitou, logo é vã a nossa pregação, e também é vã a vossa fé.” (I Co 15:14)

A ênfase de Paulo neste argumento é de dizer que este evento, mesmo que isolado, é de suma importância para o cristianismo, pois é a base deste, assim como a morte de Cristo.

Há um fato histórico de que Cristo morreu crucificado. E juntamente com Cristo, morreram as esperanças de seus discípulos. A esperança dos seguidores de Jesus era de um reinado teocrático terreno. Em Atos 1:6 os discípulos perguntam a Jesus: “Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?”, aqui vemos que o pensamento dos discípulos era uma esperança temporal e terrena.

Quando Jesus morreu, os discípulos perderam qualquer esperança que tinham.

Percebemos isto com os discípulos a caminho de Emaús. Eles já não mais sabiam o que fazer. Quando Jesus foi aprisionado, seus discípulos o abandonaram, alguns observaram a crucificação à distância. Aparentemente, somente um de seus discípulos esteve presente na hora de sua morte. E nenhum deles teve coragem de solicitar o corpo de Jesus para sepultá-lo. Um membro do Sinédrio, foi quem teve esta coragem.

Não foram os discípulos que viram o túmulo vazio de Jesus (deviam estar escondidos com medo) e sim as mulheres que tinham ido cuidar do corpo de Jesus.

Desta maneira, vemos que a morte de Jesus significou a morte de qualquer esperança que eles tinham.



Contudo, em poucos dias tudo isto mudou. Estes homens galileus que seguiam a Jesus passaram a proclamar uma nova mensagem em Jerusalém: que Jesus é o Messias, que Ele havia ressurgido dos mortos e sua morte era a justiça de Deus sendo satisfeita para a remissão de pecados mediante o arrependimento.

Qual foi o motivo de tamanha mudança no comportamento daqueles discípulos?

A resposta do Novo Testamento é que Jesus ressuscitou dos mortos.



Existem alguns fatos que não podemos ignorar, que são atestados pelos Evangelhos:

- Jesus foi morto;
- E com isso a esperança dos discípulos também morreu;
- O Desânimo e frustração dos discípulos é transformada de forma abrupta em confiança e certeza;
- O túmulo estava vazio;
- Já era comum entre os judeus a crença na ressurreição, não foi um fato novo.



Diante disto, existe a questão para a crítica história: O que aconteceu? Que evento “histórico” criou a fé na ressurreição e produziu a narrativa das aparições do ressuscitado e do túmulo vazio?

A crítica histórica forneceu diversas soluções para este problema.

1) Os discípulos roubaram o corpo e o esconderam dizendo que Jesus havia ressuscitado.

Objeção: Aqui vemos uma inconsistência no argumento pois caso os discípulos tivessem escondido o corpo, estariam vivendo uma mentira, e dificilmente estariam dispostos a morrer por uma mentira. Este fato não explica como suas frustrações e medos se tornaram em um curto espaço de tempo em coragem e disposição até o martírio como aconteceu com Pedro, que negou a Jesus e depois, segundo a tradição, foi crucificado de cabeça para baixo por causa da fé em Jesus.



2) Jesus não morreu. Apenas desfaleceu, em virtude da fraqueza e da perda de sangue. A frieza do túmulo e todo o contexto onde estava o teriam revigorado.

Objeção: Este argumento é totalmente descabido. Caso Jesus não tivesse morrido, isto o teria no mínimo o deixado completamente debilitado. Vemos que pouco tempo depois de seu “desaparecimento” ele caminha com os discípulos para Emaús. Isto seriam 7 milhas, isto seriam 11 km. O mesmo Jesus que teve cravos fincados em seus pés, andou por 11 quilômetros com os discípulos normalmente após ter saído da cruz? Qualquer um com uma unha encravada não conseguiria fazer isto, imagine depois de uma estaca ter atravessado seus dois pés.



3) Maria perdeu-se no jardim e viu o túmulo errado. Viu o jardineiro e pensou que era Jesus.

Objeção: Este argumento não explica a aparição de Jesus para os outros discípulos posteriormente.



4) Os discípulos tiveram experiências reais, porém subjetivas e não objetivas. Os discípulos tiveram visões reais, que pensaram que Jesus estava vivo.

Objeção: Os evangelhos estão repletos de termos de contatos físicos e objetivos com Jesus. E o que de fato teria causado estas experiências subjetivas? E como explicar que mais de 120 pessoas tiveram a mesma visão ao mesmo tempo?



Podemos perceber que Jesus de fato ressurgiu dos mortos trazendo esperança aos seus discípulos e ascendeu aos céus de maneira que o Espírito Santo desceu aos seus seguidores, os capacitando a ir pregar o evangelho com intrepidez a todo o mundo. Porque Jesus ressuscitou temos a esperança que também ressuscitaremos com Ele no último dia. Esta é a nossa esperança.

Estamos na zona de conforto?


“E, estando um certo jovem, por nome Êutico, assentado numa janela, caiu do terceiro andar, tomado de um sono profundo que lhe sobreveio durante o extenso discurso de Paulo; e foi levantado morto.“ (Atos 20:9)



O apóstolo Paulo em uma das suas viagens missionárias foi levado pelo Espírito Santo de DEUS a pregar na cidade de Trôade, vindo de Filipos.

CONGRESSO NACIONAL DE MISSÕES


Mais um ano nos preparamos para a realização do grande evento missionário que reúne brasileiros de todos os nossos estados Esse grande evento não tem outro objetivo, senão de chamar a atenção da nação brasileira que a hora está chegando, e nós somos essa nação, nós somos esses crentes que estão sendo chamados.

Que esse grande evento seja para cada um de nós mais uma grande oportunidade de ouvir o grande apelo divino: “não durmam, trabalhem, avancem!”.
CONGRESSO NACIONAL DE MISSOES DIAS 15 E 16 DE JUNHO NA IGREJA CRUZADA CRISTA
Rua:Ituiutaba 89 Vila Virginia Itaquaquecetuba-SP
PARTICIPE!!!

Só por hoje



Descobri que entres aqueles que estão se recuperando de uma dependência química existe um lema que é: Só por hoje. Viva só por hoje. Enfatizando o fato de que devem pensar sempre no próprio dia se afastando daquilo que os afasta de Deus e se aproximando daquilo que os aproxima de Deus.

Só por hoje é um lema que quero adotar em minha vida. Viva só por hoje. Não deixe de dizer Eu te Amo, e nem pense que pode pecar porque depois Deus perdoa, não pense que pode deixar para amanhã e então viver relaxadamente hoje.

O dia de hoje é precioso demais para ser desperdiçado. 

Que sua vida cristã não seja de planos para o futuro, mas de viver para a glória de Deus hoje!!

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas.
Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal”.”
Mateus 6:33-34

Por Daniel Simoncelos

Postagens mais antigas Página inicial